quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

AS 6 ELAS 1973

A tradição das revistas ditas cor-de-rosa (na data citada o termo não existia) de eleger determinadas mulheres como "as mais qualquer coisa", já vem de longe, as minhas "arrumações" descobriram esta revista "Donas de Casa", datada de Janeiro de 1974 (era quinzenal).
Observem o porquê de terem sido eleitas, o porquê de terem sido colocadas em destaque...

Actualmente "as mais" destacam-se pelos mesmos motivos ou haverá algumas diferenças?
Gostava de conhecer a vossa opinião!

21 comentários:

  1. Com excepção da mulher ideal, penso que se destacam pelos mesmos motivos que são bons motivos.

    ResponderEliminar
  2. Mas que belo 'baú' (ou as Coisas de que se lembra) :-) Beijo Desembrulhado

    ResponderEliminar
  3. Há toda uma enorme diferença...e negativa, quanto a mim.
    Hoje é a futilidade que vende, é a futilidade que ganha.
    Imaginas uma Maria Lamas a ganhar hoje?
    Impossível.
    Faz um inquérito e pergunta quem é Irene Pimentel? Quase ninguém sabe...

    ResponderEliminar
  4. MARIA TERESA,é comum ler nas colunas sociais as
    10 mais bem vestidas,as 10 mais elegantes,as 10
    mais mal vestidas e assim por diante.

    ResponderEliminar
  5. Estamos na Era da Venda da Aparência, das Cirurgias Estéticas, da Moda...
    Diria que estamos no Tempo em que apenas se valoriza o "Social Light".

    ResponderEliminar
  6. Maria Teresa, estou como a Paloma; hoje é mais as mais bem vestidas, as mais elegantes, as do jet-set(?), as que são dos reality-shows, as... que não têm ponta por onde se peguem...
    Ontem descobri que umas miúdas anoréticas, são ícones da moda, está tudo dito ;)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Ontem ia eu de boleia com uma colega e cruzamo-nos com um trio de mulheres (que por acaso vivem perto de nós). Eram, mãe e filhas. Estas na casa dos 40 anos e deficientes mentais profundas, embora consigam locomover-se. Muitas vezes encontramos esta mãe logo pela manhã cedo com as raparigas de braço dado a irem à padaria ou às compras no mmercadinho lá da zona...
    Ontem, precisamente eu e a minha colega conferenciamos que esta mulher-mãe deve ser alguém com uma persistência de ferro para àquelas horas da manhã já as ter higienizadas e prontas para sair... para além de imaginarmos toda uma dedicação que seria necessária para prestar todos os cuidados diários. A mãe já não é uma pessoa muito nova, como pode imaginar pela idade das raparigas, mas ali vai ela toda embevecida com as suas crias.
    Quem reconhece o mérito desta mulher? Não pela sua beleza fisica, ou outros predicados ou, ainda pela roupa (de marca) que trás... mas pela luta diária que deve envergar!
    Hoje dão-se prémios pelas coisas mais disparatadas como ter um sorriso bonito ou outras baboseiras tais...
    Maria Teresa, julgo que não preciso dizer mais nada...

    ResponderEliminar
  8. Não! O que conta são os mls de silicone. Uns mais, outros menos. Ou, é claro, se elas participaram da Quinta das Celebridades. É um esssspetáculo!

    ResponderEliminar
  9. Maria Teresa,

    Hoje em dia penso que já se fazem votações sobre tudo nas mulheres.
    Nessa revista antiga,pelo que consegui lêr,são eleitas pelo seu merito,a qual votação estou de acordo.
    Hoje em dia penso que não consiste apenas nisso,surgem as mais bem vestidas,mais elegantes,as mais vips,etc.
    não sei dizer ao certo em que votação foi,numa das nossas revistas cor-de-rosa,mas vi na televisão uma eleita que concordei-a ministra da cultura.Foi eleita pelo seu conhecimento,pela sua postura no universo da cultura em portugal.Achei uma votação interessante,deixando de lado aquelas votações sem interesse nenhum.

    Bjinho cheio de luar

    ResponderEliminar
  10. maria teresa,
    É lamentável, mas até neste aspecto regredimos. Vive-se(vivem) em função, do belo(?!), do que dá prazer(?!), etc.
    O exemplo que a CF dá, (a quem, se me permites, envio um abraço) é paradigmático. E como aquela mãe, tens n mães, n mulheres que lutam a diverssissimos níveis mas de quem ninguém fala. Por vezes ouve-se falar na cientista X ou Y que fez um trabalho relevante numa determinada área, mas isto são casos pontuais. O que predomina é o vazio, o fútil, a aparência (por vezes, quantas, lamentável).
    Sabes? O único sentimento que nutro por essas mulheres é um dó imenso.
    Beijinho SEM embrulho.
    P.S. Tenho a participar-te que o meu computador está moribundo. Ontem, tentei três (3) comentar este post e quando estava a chegar ao fim, o dito ia abaixo e, pronto, lá se ia o comentário. Vou sair antes que seja tarde.

    ResponderEliminar
  11. Pois, terei que concordar com a maioria... existem no mundo muitas mulheres de valor que fazem coisas assombrosas. De vez em quando, é lhes reconhecido o mérito mas para isso tem que "gramar" com centenas de artigos prévios a escrutinar a sua privacidade: as depressões, as taras, as manias, as traições... enfim, o diz que disse.
    Vivemos em tempos em que o substancia conta muito menos que a aparência :(
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Mas já agora... falta o reverso da medalha... tenho algumas revistas da minha avó, daquelas da "dona de casa perfeita"... ainda bem que a mulher já não é reduzida a um electrodoméstico multifunções, ainda bem que já não se publicam artigos que ensinam as "boas esposas" a saber agradar ao marido quando ele chega cansado do trabalho ;)
    ps- a verdade é que se publicam agora, outros artigos quase tão redutores... mas enfim, hoje em dia, só se "põe a jeito" quem quer ;)

    ResponderEliminar
  13. Uma Lili Caneças não teria hipóteses nessa altura, pois a única forma em que se destaca é pelas festas em que aparece. Mas são critérios...

    ResponderEliminar
  14. Infelizmente, hoje as mulheres são destacadas nas revistas, salvo raras excepções, não pelo seu valor, mas porque fizeram uma cirurgia plástica aos seios, usaram um determinado vestido num casamento, frequentaram determinada festa e lá andam elas de lugar chic em lugar chic, desfilando as suas roupas e as suas plásticas; são as tais socialites que fazem uma vida de princesas à custa do dinheiro dos outros; são pagas só para ornamentarem as festas. É uma triste realidade onde se esquecaem as mulheres de valor que contribuem com o seu trabalho, seja ele qual for, para o desenvolvimento do país. Mas os culpados somos nós que compramos essas revistas sempre interessadas em coscuvilhar a vida dos famosos. Olhe eu nunca compro uma; só quando vou ao cabeleireiro é que leio essas tais revistas de fofoca. Mete-me " nojo " ver essas pomposas que em geral não teem nada de importante dentro daquelas cabecinhas. Um beijinho e parabéns pelo tema. Tenha um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  15. Eu hoje estou meio chocho e não com aquele "vivacidade de espírito" que sempre me anima. :-)
    Por isso direi simplesmente que hoje as mulheres que as revistas mais destacam, são as que mais silicone injectaram. Isso sim, dá belos destaques...
    Bjo.

    ResponderEliminar
  16. Antes as mulheres eram tratadas como donas de casa... mas também estavam muito mais glamourosas!

    ResponderEliminar
  17. PARA TODOS QUE POR AQUI PASSARAM E DEIXARAM OU NÃO UM COMENTÁRIO.
    Publiquei este post por acaso, não estava programado, não comentei cada seguidor em particular, como é hábito, porque seria repetitiva e porque pensei em registar, como agora o estou a fazer, alguns esclarecimentos.
    Estas MULHERES tiveram direito a 4 páginas da citada revista, em letras bem pequenas, o que significa que o conteúdo é enorme, a relatar tudo aquilo que de importante, na sua área, cada uma delas fez. Infelizmente o artigo não está assinado, elas foram uma mostra de uma época em que a mulher, de um modo geral não podia votar, no entanto, elas marcaram-na por aquilo que valiam primeiramente como seres pensantes, como agentes transmissores de cultura, embora todas elas tivessem uma beleza própria, … negaram-se a ser estereótipos.
    Ainda hoje, com muito bem disseram alguns comentadores, há MULHERES-CORAGEM, algumas citadas nos comentários, mas essas são ostracizadas do conhecimento público, porque não são magras, não usam botox, nem silicone…
    Como muito bem salientou a Mariana elas pertenceram a uma época em que as “raparigas”, em geral, eram educadas para serem boas esposas e boas mães e mais nada, dependiam muito dos maridos e/ou da família. As que viviam no mundo rural viviam como que num mundo à parte!
    Fico por aqui, caso contrário, sai daqui um “testamento”…
    PARA TODOS O MEU OBRIGADA! BEM-HAJAM POR COLABORAREM!
    BEIJINHOS EMBRULHADOS PARA TODOS! ESPECIALMENTE PARA TI! SIM, PARA TI!

    ResponderEliminar
  18. Estas mulheres foram escolhidas tendo em atenção o trabalho que realizaram em determinada área. Hoje em dia neste tipo de revistas as mulheres são escolhidas tendo em atenção a sua beleza exterior, embora muitas delas sejam mulheres bem sucedidas na área da representação ou da televisão, o público escolhe-as em função da sua beleza exterior. É o que me parece. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  19. O mérito e inteligência são uma arma bastante podereso, muito mais que uma simples cara bonita. E nesse tempo, 1974, é bastante notavel terem públicado e homenageado mulheres de força que se destacaram num mundo predominantemente masculino com a ideia que o lugar da mulher é dentro de casa. Gostei de conhecer a sociologa Maria Lamas :) Nessa antes do 25 de abril os sociologos eram "perseguidos", como mulher deve ter sido ainda mais dificil.

    Bjokas*

    ResponderEliminar